O mundo de Palavras: 29/05/2013

Bem Vindo/a

Sejam bem vindos ao "Mundo de Palavras", este é um blogue de autor e parte integrante do projecto Poesia Portugal, nascido a 1 de Janeiro de 2009 tem como principal objectivo levar a poesia e a minha opinião pessoal mais longe, tem também como objectivo unir o público e os escritores através do projecto Poesia Portugal.

Se estiverem interessados em ser adicionados aos companheiros desta casa por favor façam essa referência nos comentários, e procedam ao adicionar do blog aos vossos companheiros. ( Obrigado )

Estamos disponíveis nas redes sociais

no Facebook -> https://www.facebook.com/JosePinaOficial/
https://www.facebook.com/PoesiaPortugal

no Twitter -> https://twitter.com/jpina9

Nota: para uma total visualização do blogue por favor desliguem o adblock ou outros bloqueadores uma vez que os mesmos bloqueiam o acesso a aplicações externas por exemplo o google + .
Se por algum erro não se conseguirem tornar seguidores do blogue por favor usem o sistema de seguidores do google +. Obrigado !

Saudações
José Pina

29/05/2013

1 Hora

Tic Tac neste relógio quadrado,
Onde cada segundo é desprezado.
Tic Tac, cada segundo conta,
Para a decisão sobre mais uma afronta.

Afrontas o teu desejo mais profundo,
De enfrentares tudo o que é inimigo.
Porque neste teu desenho sobre o mundo,
Sou eu que sigo como teu único amigo.

O Relógio não para, Tic Tac e tu desamparas,
Perdes o rumo e o sentido do mundo.
Rebenta a mais pesada bomba que o terrorista preparara,
Perdem-se mais heróis que o destino afundara.

Os homens no vendaval,
Agarrados ao instinto animal.
A tentar sobreviver ao desastre,
Em que o mundo se transformou numa catástrofe.

José Pina

O seu destino

Destino incerto nesta cruzada,
Rumo a um deserto de onde não se sente nada.
Espada á tira colo com uma armadura já gasta,
Uma vida desprezada sobre um corpo e uma mente vasta.

Quilometros sem olhar para trás,
Na fuga ás alternativas.
Porque a mente era má,
Mas as tentações eram credíveis.

Sobre o destino ele se curvou,
Contornando um obstáculo que ele próprio identificou.
E na rua onde ele virou,
O seu coração parou !!!

Passavam 5 horas desde que saira,
Da sua casa onde mentira.
Ao seu filho e à sua amada,
Que hoje o viam ali estendido na estrada.

José Pina

Sol Morto

O sol morto deste dia,
Esconde-se sobre o som da mais triste telefonia.
Com o compasso,
Marcado passo-a-passo.

Nesta dança imaginária,
Em que a estadia é diária.
Sobre o nascer de mais um dia,
Renasce de novo a doloroso ferida.

São acontecimentos transversais,
Em que os sonhos são surreais.
E no fim as luzes já mortas,
Que percorrem as estradas já decompostas.

São os corpos com a energia findada,
Que no horizonte não encontram mais nada.
São as vidas entretanto dispensadas,
Pelo sol que todos os dias as desprezava.

José Pina

Partilha com os teus amigos(as)

Pedidos de Poemas

Boas pessoal, aqui vão puder deixar os vossos pedidos de poemas que serão respondidos no blogue por ordem de chegada.