O mundo de Palavras: A tempestade

Bem Vindo/a

Sejam bem vindos ao "Mundo de Palavras", este é um blogue de autor e parte integrante do projecto Poesia Portugal, nascido a 1 de Janeiro de 2009 tem como principal objectivo levar a poesia e a minha opinião pessoal mais longe, tem também como objectivo unir o público e os escritores através do projecto Poesia Portugal.

Se estiverem interessados em ser adicionados aos companheiros desta casa por favor façam essa referência nos comentários, e procedam ao adicionar do blog aos vossos companheiros. ( Obrigado )

Estamos disponíveis nas redes sociais

no Facebook -> https://www.facebook.com/JosePinaOficial/
https://www.facebook.com/PoesiaPortugal

no Twitter -> https://twitter.com/jpina9

Nota: para uma total visualização do blogue por favor desliguem o adblock ou outros bloqueadores uma vez que os mesmos bloqueiam o acesso a aplicações externas por exemplo o google + .
Se por algum erro não se conseguirem tornar seguidores do blogue por favor usem o sistema de seguidores do google +. Obrigado !

Saudações
José Pina

02/01/2013

A tempestade

Levanto me em mais um dia de Setembro, olho pela janela e tudo me pareçe sorridente, o sol brilha lá no alto, o mar ao fundo transmite me a força para me levantar em mais uma manhã para que daqui a 3 horas possa estar na praia a disfrutar deste sol.

Corro até ao wc, depois da minha higiene preparo me rapidamente para sair engolindo uma torrada e um copo de leite enquanto corro para a porta, digo que engulo pois á velocidade a que a comi com certeza que o meu estomago ainda terá trabalho para tratar desta refeição nas próximas horas.

Chegado á praia , bandeira amarela, um vento calminho, a água "mexida" transmite me a nostalgia própria dos náufragos, corro para ela em busca que me leve para outros lugares mas a única coisa que consigo é um mergulho desajeitado em pleno oceano Atlântico.

Volto para a toalha após meia hora dentro de água, depois de mil mergulhos naquelas marés vivas que outrora num dia distante já ressuscitaram várias sereias e vários tubarões adormecidos, chego á toalha com a esperança que o vento não aumente para que possa secar me e apanhar ainda um pouco do sol tão forte que a tarde trazia.

Não tive sorte , o vento acelerou, a areia voava em remoinhos infernais, vi me obrigado a abandonar a minha praia, aquela que há 13 anos não me pregava uma tamanha partida, rumei a casa ainda com o olhar no horizonte com a expectativa que o amanhã não trouxesse o vento e o dia pudesse ser então retomado.

Já de noite, aproximo me da janela da minha sala, clarões inundam o horizonte com o barulho ensurdecedor dos trovões que batem ao longe, afinal o verão foi mesmo embora, estou triste pois ele nem uma carta me deixou.

O dia de praia e toda a felicidade do sol a bater me na cara e nas veias já só retomarei no próximo verão, caro amigo não é um adeus mas sim um breve até já...
Postar um comentário

Partilha com os teus amigos(as)

Pedidos de Poemas

Boas pessoal, aqui vão puder deixar os vossos pedidos de poemas que serão respondidos no blogue por ordem de chegada.