O mundo de Palavras: O desconfortável bater da indiferença

Bem Vindo/a

Sejam bem vindos ao "Mundo de Palavras", este é um blogue de autor e parte integrante do projecto Poesia Portugal, nascido a 1 de Janeiro de 2009 tem como principal objectivo levar a poesia e a minha opinião pessoal mais longe, tem também como objectivo unir o público e os escritores através do projecto Poesia Portugal.

Se estiverem interessados em ser adicionados aos companheiros desta casa por favor façam essa referência nos comentários, e procedam ao adicionar do blog aos vossos companheiros. ( Obrigado )

Estamos disponíveis nas redes sociais

no Facebook -> https://www.facebook.com/JosePinaOficial/
https://www.facebook.com/PoesiaPortugal

no Twitter -> https://twitter.com/jpina9

Nota: para uma total visualização do blogue por favor desliguem o adblock ou outros bloqueadores uma vez que os mesmos bloqueiam o acesso a aplicações externas por exemplo o google + .
Se por algum erro não se conseguirem tornar seguidores do blogue por favor usem o sistema de seguidores do google +. Obrigado !

Saudações
José Pina

11/05/2015

O desconfortável bater da indiferença

Boa tarde, apresento vos "o desconfortável bater da indiferença", um texto algo teatral que fala sobre os maus tratos a mulheres e a homens. Por favor nas frases começadas com M leiam com voz masculina e nas frases começadas com F leiam com voz feminina. Obrigado e até já !

F - Somos maltratadas, humilhadas, ofendidas, violentadas, tudo em nome de um amor que tudo cega, somos o retrato de uma classe que outrora era serva de casa, somos o símbolo de um passado que ideologicamente nos persegue, de uma indiferença constante e da nossa própria falta de amor próprio.

M - Sois nada, sois apenas desleixada , má mulher, má mãe, má filha, má amante ,  sois um zero !

F - Não digas isso, fazemos de tudo para que as nossas relações se mantenham por entre "palmadas de amor" , choros na calada da noite, sorrisos e quedas misteriosas em escadas por vezes inexistentes até.

M - Calúnia, és a chata que não gosta de futebol, és a chata que não me permite ter a garrafa em cima da mesa sem o napronzinho, és uma inútil ( som de chapada).

F - Talvez seja, talvez não te ame como tu mereces, talvez seja a inútil que não te consegue fazer feliz, talvez o meu destino seja a morte .

M - Haaaaaa, não me venhas com esses dramatismos, sempre a mesma balela, as que apanhas são bem dadas tendo em conta que nada fazes nesta casa a não ser chatear.

F - Ai sim? então adeus ! Nada do que digas me fará voltar para trás, o meu destino não é a morte mas sim o amor, o amor com alguém que me valorize pelo que eu sou e não pelo que eu faço, o meu destino é a felicidade !

M - Adeus? nem penses ! ( som de chapada) , Tu és apenas minha e nada mudará, daqui só sais morta ouviste? MORTA!
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Ela foge numa noite de verão , apenas com a roupa do corpo , procura abrigo na esquadra onde lhe dizem para voltar para o marido e ter juízo . Mais tarde nessa noite encontra um abrigo, desta feita de mulheres na mesma situação e que apenas e só buscam o amor sem violência.

A situação arrasta se durante anos, em fugas constantes, mudanças de cidade , já não reconhece o seu nome, não sabe a sua história, apenas sabe que encontrou o amor numa das cidades que a acolheu enquanto mulher, hoje é feliz !
Já o seu companheiro acabou por falecer num "trágico" acidente ocasionado pelo excesso de álcool.


José Pina , 11-05-2015 , Rotterdão - Holanda.
Postar um comentário

Partilha com os teus amigos(as)

Pedidos de Poemas

Boas pessoal, aqui vão puder deixar os vossos pedidos de poemas que serão respondidos no blogue por ordem de chegada.